Fariseus do Catolicismo

“Amarram fardos pesados e os põem sobre os ombros dos homens mas eles mesmos nem com um só dedo  se dispõem a move-los” Mateus 23, 4

24Inicio meu ano de 2014 vivendo o mesmo dilema no qual terminei 2013: os fariseus do novo tempo. Sinto-me indagado a falar deste assunto que não vejo nenhum blogueiro realmente abordar, que é a hipocrisia que está a contaminar o meio católico. E por que escrevo isso? Por vários motivos. Há uns meses atrás eu escrevi como eu estava feliz em ver a crescente da tradição católica, e por ela estar “contaminando” os católicos jovens, e quanto o respeito pelo sagrado esta sendo prioridade em um país dominado pela Teologia da Libertação, isso é de muita valia. Mas o que realmente me deixa hoje muito estupefato é o fato de que a tradição virou arma de acusação e de afastamento por parte de alguns; A tradição que deveria trazer a contemplação e acolhida, está se transformando em um poder inquisitório para os próprios católicos. A fé católica para muitos já não é a vivência do Cristo vivo e ressuscitado, nem a convivência fraternal e alegre entre os católicos, mas sim um atirar pedras. Se não usa véu vai para o inferno, se não usa saia vai para o inferno, se não é a missa antiga a missa não é válida. Ora estamos vivendo um catolicismo de bula, onde a salvação se esconde nas regras e não na pessoa de Jesus Cristo. Em Romano capítulo 3, Paulo faz uma catequese explicando que Jesus veio para dar a salvação para Gregos e Judeus, mas que a salvação não estava na lei e sim na fé em Jesus Cristo.

Tenhamos o cuidado para não privatizarmos a salvação apenas para um grupo de católicos como se Deus estivesse mais atento as normas de vestes e litúrgicas do que para uma alma convertida. Tenhamos também em mente que, para uma pessoa recém convertida ou pouco evangelizada, esta não conseguirá muitas vezes entender os preceitos que a boa conduta demanda, e eu não estou aqui para desmerecer o uso do véu e nem da liturgia bem celebrada, pelo contrário: eu prego isso também, mas saibamos de quem cobrar isso. Simplesmente não dá para enfiarmos goela-abaixo preceitos e normas, se a pessoa ainda nem entende o que é Eucaristia e nem sabe ainda se optou verdadeiramente por Jesus. A conduta de modéstia e cumprimento dos preceitos conservadores deve ser uma atitude verdadeira, íntima e espiritual de cada um, afinal até uma prostituta pode usar um véu e saia longa, mas nunca uma alma convertida EFETIVAMENTE se colocará em uma roupa de prostituta. As regras devem ser a cereja do bolo, a parte da santificação e busca das virtudes da perfeição, mas a primeiro momento não podemos cobrar isso de alguém que mal sabe rezar o credo.

25Tenhamos cuidado de ao invés de apresentar Jesus misericordioso e salvador, não apresentemos preceitos e regras, e saibamos que o caminho a verdade e a Vida está em Jesus, e a primeiro momento ao recém convertido, a ele basta saber disso, e depois vai se desenrolando as regras e condutas a serem seguidas por uma alma convertida. Talvez no passado não fosse assim, pois a sociedade ainda guardava em seu seio um pouco de pudor da vestimenta, temor a Deus e o respeito a Igreja, mas hoje lidamos com um mundo secularizado e amoral, onde roupas curtas e decotes exorbitantes é supostamente normal. Então se não houver uma conversão de espírito e do entendimento do que é moral ou não, tão pouco a modéstia fará sentido para este mundo. Um catolicismo que sufoca não se torna um catolicismo salvador e sim, opressor. Se não conseguirmos nos dirigir a Deus com tranquilidade de que ele nos ouça por que estou me vestindo assim ou assado, tão pouco vamos rezar verdadeiramente, tão pouco haverá convertidos ao catolicismo se o ato de ser católico é estar em uma estufa sufocante de normas e regras. Para os convertidos, estas normas não são peso já que a esses fazem com um sentido de uma privação disciplinadora que santifica o homem e o traz para próximo de Deus, mas para os recém chegados, isto se torna uma sufocante agonia.

Ao final de tudo se resume que devemos apresentar a todos aquele que alivia o fardo e não aquele que coloca o fardo.

Autor: Pedro Henrique Alves

Revisora: Pâmela Hervatin

Para citar: ALVES, Pedro Henrique, Fariseus do Catolicismo, acesse: https://proecclesiacatholica.wordpress.com/2014/01/06/fariseus-do-catolicismo

Anúncios

12 responses to “Fariseus do Catolicismo

  1. CARLOS ROBERTO DE OLIVEIRA

    .Concordo plenamente em alguns aspéctos abordados, porém devemos sim alertar com amor e compaixão pessas que estão em início de caminhada, como aconteceu comigo . O triste é saber que alguns sacerdotes ironizam tais habitos sendo que aàs pessoas que o fazem sabem o valor destes !

    • Caro irmão,
      É com muita alegria que leio seu post hoje! Concordo em muitos aspectos com o conteúdo postado e confesso que eu mesma fico, por vezes, ressabiada com a atitude farisaica de muitos católicos.
      Gostaria apenas de fazer uma crítica construtiva. Seu texto está muito coerente e claro, mas a construção das frases deixa a desejar, causando problemas para a leitura direta. Gostaria de sugerir que pedisse a revisão de textos a alguma alma caridosa.

      Sigamos a Cristo!
      Obrigada por seu blog!

  2. Imagina em um lugar afastafo, na zona rural, onde existe apenas uma pequena capela e um padre que celebra a missa uma vez ao mês. As pessoas daquele local têm suas tradições e a missa é celebrada de tal modo, como por exemplo uma missa com músicas sertanejas. As letras são as mesmas, o ritmo apenas é alterado pra realidade daqueles moradores. Não vejo o menor problema nisso, você porém postou que isso jamais poderia acontecer na Paróquia Espírito Santo, e que o padre não te conhecia pra ter tido essa ideia. Isso vai contra ao que você mesmo escreveu nesse artigo. Você me parece ter certas atitudes hipócritas, quer cobrar do mundo mas muitas vezes você não dá o exemplo, ou quer mudar o mundo mas não consegue fazer isso na própria casa. Bom, continuo te dizendo pra procurar alguém que revisse seus textos, artigos con tantos ertos ortográficos assim perdem e muito a credibilidade. Confesso que me deu vontade de chorar ao ver determinados erros. Um abraço!

    • Carolina eu peço que aponte alguns erros por favor.

    • Olá Carolina, sou Pedro Henrique o autor do texto, até hoje eu estava sem revisora, por isso peço perdão pelos erros ortográficos, afinal sou filosofo, e leio muito, porém na hora de passar para o “papel” realmente não me atento muito aos detalhes normativos gramaticais, apesar de sempre fazer uma revisão antes da postagem, enfim esses erros não voltarão acontecer. obrigado mesmo pela atenção, mas mesmo assim peço com alma que se atente ao conteúdo do meu pensamento exposto (não que não o faça) mas ali esta a alma do meu argumento, mas enfim espero restaurar a credibilidade de meus texto com você futuramente. Deus abençoe

    • Carolina para começar eu nunca citei minha paróquia em meus textos, porem se um dia ela realizar missa sertaneja eu serei o primeiro a me levantar para protestar a liturgia não é Deus que se dobra ao Homem mais o Homem que se dobra a Deus, se quer uma Igreja que seja inculturada, forme a sua própria e não tente mudar 2 milênios de fé católica!

      • Pois você postou sim no seu facebook e foi realizada sim missa sertaneja, com o Pe. Dirceu! 😉

      • pois então minha querida vc é muito sem sentido, quando aconteceu aqui foi realizada pelo Padre Emanuel no outro dia eu já tinha falado com o Padre Luis Fernando vc deveria ser mais sincera nas suas opiniões e não justifica-las ao bel prazer das suas emoções descontroladas! :*

  3. Foi com o padre Deirceu sim! Eu estava na missa e vi, ninguém precisou me contar. Foi na época da JMJ, logo após a missa teve festa na igreja e com direito a moda de viola!

    • então estamos falando de missas diferentes! mas enfim se eu soubesse dessa missa tbm teria criticado, olha não sou hipócrita, minhas opiniões aqui no blog são minhas opiniões na vida real, aqueilo que eu escrevo é realmente minha opinião, mas se não gosta existe MILHÕES de católicos fofuxos por ai pregando suposto “amor” a Igreja, curta eles 😛

  4. Bom, os apostolados sobre modéstia que dizem que quem não segue vai para o inferno erram muito feio mesmo, mas os sérios que eu conheço não fazem isso.

    Agora sobre a liturgia eu acho complicado de seguir alguns, eles chegam ao ponto de desprezar completamente a Missa Nova. Eu particularmente me sinto mal por ver o que algumas pessoas falam da Missa Nova.

    Eu não dependo da Missa Tridentina, fui uma única vez na vida e Deus sabe lá se ainda vou um dia novamente, ficar frisando em regras litúrgicas pode realmente esvaziar o essencial sentido da fé…

    Concordo com seu texto em alguns pontos e sinto muito também ver essa divisão =(

    fique com Deus!

  5. Mil parabéns! Sem mais, nem restou nada a dizer 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s