Papa na Coreia em agosto. Que país ele vai encontrar?

Imagem

Seul (RV) – Aproxima-se a data da viagem do Papa à Coréia do Sul e a expectativa aumenta. O Pontífice partirá no dia 13 de agosto, para participar da sexta Jornada da Juventude Asiática. Dentre os eventos mais aguardados, está a missa pela paz e a reconciliação entre as duas Coreias.

Uma faixa de terra de 4 km de largura ao longo do 38º paralelo divide as duas Coréias. Desmilitarizada, a área foi criada com a assinatura do armistício de 1953 e ainda hoje representa uma ferida aberta: um muro que amplia as diversidades e transforma o irmão em inimigo.

O entusiasmo dos coreanos com a visita de Francisco é palpável e a RV entrevistou o

Professor

Antonio Fiori, que ensina Política e Instituições da Corea na Universidade de Bolonha, para saber porquê.

Porque a sociedade, a religiosidade dos coreanos mudou muito na última década. O país está certamente muito alegre e sente a responsabilidade de ter sido escolhido como o primeiro asiático a ser visto pelo Papa. Creio que esta visita possa ser a ocasião para reafirmar a inutilidade da divisão que a península ainda vive, em 2014. Poderá ser uma “ponte” para reduzir as diferenças existentes entre os dois países”.

Para Professor Thomas Hong-Soon Han, membro do Pontifício Conselho para os Leigos desde 1984 e embaixador da Coréia na Santa Sé de 2010 a 2013, “a Ásia tem sede de justiça e de paz, pois apesar de um significativo crescimento econômico, persiste o clamoso escândalo de várias formas de pobreza e violação de direitos humanos”.

Entrevistado pela agência Aleteia, o professor aponta que a região é uma das mais armadas do mundo e um dos países mais poluidores. “Neste contexto, é mais necessário do que nunca que os católicos asiáticos testemunhem a doutrina social suas obras. Tal testemunho fará a Igreja ser mais crível na Ásia e corrigirá a impressão, errada, de que o catolicismo é uma religião estrangeira”.

O Papa virá antes de tudo como um missionário, para transmitir a alegria do Evangelho aos povos asiáticos, principalmente aos jovens. Virá para preparar com Deus ‘uma grande primavera cristã’ do terceiro milênio na Ásia, onde os católicos são uma pequena maioria de 140 milhões, ou seja, 3,3% em 4 bilhões e 200 milhões e meio de pessoas”.

Francisco tem um impacto muito eficaz nos coreanos. Depois de vê-lo viver na simplicidade e humildade, praticar a caridade e o amor pelos pobres e doentes, muitos coreanos estão se aproximando da fé e se batizando. Com a visita, pode-se esperar um aumento no ritmo de crescimento da Igreja, uma mudança significativa no estilo de vida da Igreja e da sociedade, e a promoção da cultura do amor na Península coreana”.

Texto proveniente do site da Rádio Vaticano.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s