“Mas os extremistas são minoria…” IDAÍ CARAMBA!

Existe um pacifismo meus caros, que não está baseado na paz, ou na concepção de humanidade e solidariedade, este está apoiado na omissão ou até mesmo na complacência com os maus, e disso que queria falar hoje, e quem sabe abrir um novo horizonte para alguns, que são vitimados por discursinho fúteis, e até mesmo ridículos.

106Algo me fez refletir com toda atenção que poderia dedicar na ultima semana, foi um email enviado a mim, por uma leitora de meu blog, ao ler meu ultimo artigo “Israel está certo em sua ofensiva militar?” (leia aqui), ela diz ter se sentido: “incomodada” por minha forma “quase que violenta” de defender Israel, e ela me questiona se: “a maioria dos islâmicos não seria pacíficos e se eles merecem passar pelo ‘massacre’ Israelense”. Com dados e uma breve reflexão gostaria de responde-la.

109Bom o questionamento que gera por de trás destes discursos é o seguinte: “os extremistas islâmicos não seriam a minoria?” Bom vamos lá, as estimativas aproximadas seria que hoje no mundo existam cerca de 1.2 bilhões de muçulmanos, e que existam por volta de 15% a 25% de extremistas entre grupos como Hamas, e Jihad, sem contas exatas, (até porque sou horrível com exatas) cerca de 180 milhões a 300 milhões de muçulmanos são extremistas, ou seja, matam, matam simplesmente por você não ser muçulmano, matam até, por que alguns dos próprios muçulmanos discordam deles; eles próprios se matam, estes extremistas, treinam crianças apartir dos 5 anos com armamentos, forçando aos jovens se tornarem terrorista, e cai entre nós 180 milhões é praticamente a população brasileira, ou seja, a minoria já não é mais

tão minoria assim, se for 300 milhões então. Estes extremistas matam sem dó; não é difícil acharmos na internet vídeos de decapitações, ou mutilações de todos os níveis, estes muçulmanos, impõe sua religião a preço de morte, e o discurso que se instaura é que eles são a minoria? No mínimo é um discurso sem o menor bom senso.

Deixe eu te falar uma coisinha, estes radicais, invadiram um país com dois aviões comerciais e jogaram contra dois prédios super-populosos, e o pentágono, e precisaram apenas de 19 terroristas para isso, a minoria fez com que 3 mil americanos morressem naquele dia, me questiono se a maioria pacífica fez alguma diferença naquele momento, sim, a maioria é pacifica, mas a maioria se acovarda, ou simplesmente são amedrontadas, do que vele a analogia da minoria extremista e a maioria pacífica? E deixe me recordar alguns aspectos históricos, na Alemanha é obvio que a maioria não compactuava com a ideia nazista, mas isso não fez com que Hitler parasse, ao contrário 60 milhões de cadáveres foram deixados para adubar a terra, e 14 56milhões eram Judeus. Com toda certeza a maioria da extinta URSS não era a favor da supressão maligna de seu governo comunista, mas isto não impediu dela deixar mais de 20 milhões de mortos espalhados pelo mundo, obviamente nem 1% dos Chineses eram a favor do governo comunista, mas isso não impediu dele deixar 65 milhões de mortos, nem o Vietnã com 1 milhão de mortos, Coria do Norte com 2 milhões de mortos, Camboja, 2 milhões, e veja, estes dados são de 1999 (Courtois, 1999) ou seja, deve haver muito mais mortos depois disso pelas ditas “minorias”.

Mas agora permita-me centrar no islamismo e no conflito entre Israel e Palestina, e mais especificamente no Hamas, não estou aqui para defender Israel, primeiramente porque não me interessa, como filosofo, e apologista católico meu único compromisso é com a verdade e não com etnia ou país algum, quero também que o quanto antes acabe estes conflitos, vida nenhuma merece ser dizimada, seja Palestina ou Israelense. O único enfoque no meu ultimo artigo foi que Israel tem o direito de se defender, e que este grupo Hamas a anos e mais anos, fazem atentados terroristas em solo Israelense, deixando milhares de mortos, e espalhando terror. Não apoio exageros de nenhum lado, seja de Israel ou do Hamas, afinal o valor da vida é inestimável, mas veja, o que a mídia esta pintando é que a matança esta sendo realizado pelos Israelenses, somente por pura vontade de

População sendo usada como escudo humano

População sendo usada como escudo humano

matar, e isso não é verdade, os terroristas estão usando as populações como escudo humano, para proteção de armas bélicas, e para comoção mundial, como uma ação conjunta contra Israel, agora eu questiono, quem mata primeiro, que propositalmente coloca uma população inteira na mira de misseis ou quem aperta o gatilho? No mínimo a culpa é dos dois, mas não é o que se houve na mídia brasileira, que apoia os terroristas, se protegem os lança misseis com crianças de 4, 5 anos, pois ao ver as crianças os caças Israelenses são forçados a recuar para não mata-los, agora me diga, devemos ou não nos preocupar com a minoria? Afinal a minoria é tão boa né?

O pacifismo de omissão, é demoníaco, não estou falando para fazer guerra, mas obviamente que se esta dita “minoria” que já causa e causou tanto estrago107 na história mundial continuar ganhando campo, e pessoas para seus exércitos
, daqui um tempo, vamos chorar sangue. Só para constar; você que tem dó de terrorista, a cada 11 minutos morre um cristão por não negar sua fé, geralmente pelas mãos dos islâmicos, e você morreria por Cristo? Acha justo alguém morrer simplesmente por não acreditar em Maomé? Pois é, antes de questionar-me, sobre justiça e minoria, vale antes, estudar a história mundial.

 

Autor: Pedro Henrique Alves

 

Referencias:

COURTOIS, Stéphane et al. O livro negro do comunismo Bertrand Brasil, 1999.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s