O que não te contaram sobre as cruzadas

   Sempre ouvimos nas escolas, ou nas universidades ataques feitos a inquisição, ou mais recentemente as cruzadas. Este fato histórico veio a tona com mais força por conta dos ataques mais recente dos extremistas muçulmanos, e com o advento deste dito “Estado Islâmico”, como uma forma de compensação a favor destes terroristas, ou como uma forma de dizer: “Mas os cristãos também mataram em nome da fé” ou seja, um jeitinho de incriminar os cristãos, dentre estes estava o deputado estadual do PT que nos gratificou com sua capacidade de nulidade mental.22   Bom, este artigo pretende contar o lado das cruzadas que não são mencionadas, e principalmente analisar as consequências das cruzadas em contraste com os ataques terroristas islâmicos. Porém, antes disso é bom explicitarmos que não sou a favor de nenhum tipo de guerra religiosa nos dias de hoje, então não me venha tentar colocar palavras em minha boca, pois não acho certo descriminações de Cristãos para com muçulmanos pacíficos, e nem o inverso, sendo assim, comecemos.

1 – Contexto histórico.

   O primeiro grande erro que cometemos ao avaliar a inquisição, cruzadas ou qualquer outro fato histórico, é o fator “contexto histórico”, devemos ter em mente que a história é uma constante evolução, evolução da compreensão da moral, dos valores decorrente das crenças vigentes, e do processo de evolução da humanidade em geral, sendo assim, não podemos olhar para idade média é tecer julgamentos baseados nos conceitos éticos e morais que temos hoje, pois não eram os mesmos que haviam naquela época, se assim fizermos corremos o risco de imputar-lhes julgamentos injustos. Por exemplo, como poderíamos defender a liberdade religiosa ao paganismo se naquela época a sociedade era teocêntrica, isto é, a religião e o Estado tinha uma ligação intrínseca, não havendo distinções claras e concretas como temos hoje em dia entre estes; em outra palavras, não havia liberdade religiosa em uma época onde a religião era parte dos deveres sociais instituídos pelos monarcas, onde o sentimento religioso e a fé era tão ou mais importante que a própria vida.

   No processo de estudo histórico, se tem como base de uma reta compreensão e de um reto julgamento, saber qual eram os parâmetros éticos e morais daquele determinado tempo, as relações que haviam entre as instituições, e o esforço por parte do estudioso de se pensar com a mentalidade que era o da época. Se torna então, uma falácia hoje no século XXI, com nossos conceitos de moralidade e ética, com nossas leis e constituições construídas e formuladas a menos de 200 anos, julgarmos acontecimentos que ocorreram a mais de 700 ou 800 anos atrás e buscarmos pagar de falsos moralistas.

2- O que ocorreu e ninguém te contou.

   No processo de ensino ideológico no qual passamos aqui no Brasil, desmoralizar a Igreja é um dos fatores de maior importância aos esquerdistas, afinal como bem lembra Russell Kirk a ideologia comunista, pretende abolir a religião cristã para ela própria se tornar a única religião vigente. E neste processo, acabam por omitir muitos fatos que se contados talvez nos mostrariam que a Igreja teve sérios e reais motivos para realizar as cruzadas.

   A data de inicio das cruzadas foi no dia 27 de Novembro de 1095, quando o Papa Urbano II deu inicio a convocação das tropas cristãs para defender a terra santa, porém, antes disso já havia acontecido muita carnificina por parte dos seguidores de maomé, as tropas dos muçulmanos estavam fazendo uma espécie de arrastão em todo oriente médio; Palestina, Egito e Grécia já tinham sido alvos e agora as tropas mamoetanas já estavam próximos a Europa cristã. Terras sagradas para nós cristãos como Belém e Jerusalém, tinham sido dizimadas, os cristãos mortos, Igrejas saqueadas, dentre estas muitas que o próprio apóstolo Paulo e Pedro tinham fundados, como por exemplo, na Grécia. Objetos milenares quebrados ou roubados, bibliotecas todas destruídas, hoje temos a consciência que talvez não saibamos mais sobre Jesus e seus apóstolos e não tenhamos mais documentos de extrema importância a humanidade por conta dos saques e destruições causados pelas tropas de maomé.

   E tudo isto veio ocorrendo desde os século VII, onde todas as tribos islâmicas se uniram para tomar o mundo para alah, tal guerra então, não foi iniciada pelos cristãos. Gradativamente eles foram conquistando espaço, até chegar ameaçar os bens do cristianismo, os bens humanos em geral. Antes de mais nada, devemos colocar bem claro que quem provocou tal guerra não foram os cristãos, as cruzadas foi uma resposta de defesa, e não de ataque infundado, que só teve inicio quando Constantinopla estava sob ameaça iminente de destruição, e se eles (os muçulmanos) os tomassem seria a perda crucial, e a Europa estaria toda ameaçada, somente sob tal ameaça os reis de toda Europa com a benção do Santo padre Urbano II resolveram armar-se e defender seu maior bem, a fé.

3 – Existe uma Guerra justa?

   Sim, devemos deixar claro que existe sim a possibilidade de uma guerra justa, que é aquela que ocorre por motivos justos, e as cruzadas foi um exemplo dessas, como explicado acima, havia uma perigo iminente tanto às monarquias da Europa, tanto para o cristianismo como um todo que estava sendo solapado por todos os lugares aonde passavam os maometanos, além obviamente dos rios de sangues que eles deixavam dos “infiéis”, aqueles que não traíram sua fé cristã.

   As cruzadas foi uma investida militar de defesa, e não de ataque infundado, a motivação era parar os exércitos muçulmanos antes que fosse tarde, se conseguissem invadir Constantinopla (como mais tarde ocorreu) a Europa toda estaria sob perigo, e isto era um preço muito grande a se pagar, se isso ocorresse de fato, talvez uma guerra posterior seria tarde demais. Sendo assim, ao contrário do que nos contam na escola as cruzadas teve sim motivos justos para ocorrerem. Na verdade deveríamos de certa forma agradecer a estes homens que morreram em nome de cristo nas cruzadas, pois se os exércitos de maomé tivessem tido exito provavelmente não teríamos cristianismo, pouco saberíamos de um homem chamado Cristo, e nunca nem sequer ouviríamos falar da bíblia.

4- Os cruzados queriam riquezas?

   A mais decorrente desculpa para atacar as cruzadas e os cristãos seriam que os reis e príncipes, e plebeus iam a terra santa atrás de fortunas e riquezas, ora, nunca se ouviu tanta baboseira, primeiramente que riquezas? As principais riquezas que haviam na terra santa eram o Santo Sepulcro, o Calvário e o monte das oliveiras, talvez o mar vermelho, e eles o trariam como para Inglaterra, França ou Espanha, nos lombos de seus cavalos? Venderiam a quem um pedaço do Santo Sepulcro? Baboseiras, de fato poderiam haver muitos tesouros naquela terra, por conta das peregrinações e presentes dos reinados ao santo local, porém aqueles soldados com armaduras de quase dez quilos de metal, mais a espada e escudo, iriam fretar qual empresa para trazer tais riquezas para seus castelos? Ou talvez caberiam alguns cálices em seus bolsos não é?

   Faz sentido a você, se fosse Rei largar a pompa e conforto de seu castelo, com seus súditos riquezas, mulher e filhos e ir para uma guerra buscar riquezas da qual não poderia trazer? Para os romancistas e historiadores modernos faz. Talvez antes de repetirmos tais argumentos infundados deveríamos refletir a burrice que se esconde por trás da pseudo-intelectualidade.

   Obviamente que talvez com nossa mentalidade atual, dificilmente compreenderíamos que para aqueles homens e mulheres era uma dor indescritível saber que o lugar onde seu Mestre nasceu, morreu e ressuscitou estava sendo covardemente atacado e destruído, seus irmãos de fé estavam sendo massacrados, sem nenhum direito a defesa. Talvez para nós que aprendemos fingir que temos uma fé, aprendemos a brincar de professar um credo, realmente… Realmente para nós seja difícil conceber que alguém por livre e espontânea vontade preferisse morrer do que ver seu Cristo e sua Igreja perecer. Não por riquezas, não por glórias, não por um nome na história, mas por Cristo. Motivação que não cabe em nossa mente reformulada aos moldes da revolução francesa, mas para aqueles homens era mais do que suficiente, a fé era tão cara que morrer por ela era a maior honra que um verdadeiro guerreiro poderia querer.

5- Consequências se não tivesse sido travado essa guerra.

   Dificilmente haveria cristianismo em alguma parte do globo, provavelmente não saberíamos quem foi Cristo de Nazaré, nunca teria existido para nós nenhum compêndio de livros sagrados denominado bíblia sagrada. Talvez achastes que eu sou apocalíptico demais, e se assim pensas, pode ter certeza que esta enganado, os muçulmanos naquela época tinham como motivação principal tornar todos homens e mulheres muçulmanos como eles, e matar todos os infiéis que negavam maomé como profeta, e todos que negavam alah como Deus único, isto se vê até em nossos tempos, onde os extremistas islâmicos continuam matando os “infiéis” e continuam buscando tomada espaço.Você que me acha apocalíptico, convido a visitar a Nigéria, ou quem sabe a palestina e passear com a bíblia na mão ou com um crucifixo no pescoço, durante apenas 10 minutos em qualquer rua do país.

   Thomas E. Woods JR. historiador, nos deu a honra de ter uma obra magnifica chamado: “Como a Igreja católica construiu a civilização ocidental”, nesta obra ele nos mostra que a evolução tecnológica em todos os ramos, desde agricultura à astronomia só foi possível pela abertura aos estudos humanísticos e tecnológicos feito pela Igreja, apresenta nome de intelectuais de várias áreas provindo do centro da igreja, desde as obras literárias dos monges copistas, do trabalho de irrigação dos monges beneditinos e dos franciscanos, até da astronomia por parte dos clérigos jesuíta. Tal avanço não ocorreu nem de perto nas mesmas proporcionalidades em países muçulmanos, a Igreja desde a escolástica provinha de um ganho cultural e intelectual inestimável, ganho do qual hoje nós ocidentais somos herdeiros, sejamos nós cristãos ou não.

6- Hipocrisia reinante

   Tudo isso que falamos até o momento ocorreu do século VII ao século XV, como dito no primeiro tópico, tal era histórica, tinham outros parâmetros de moralidade, de entendimento humano e religioso (entendimento esse que não contraria a continuidade da Tradição sagrada), para o povo medieval a morte era algo esperado, não haviam hospitais, e tratamentos medicinais do qual hoje em dia prolonga a vida de um homem por décadas a fio, a retidão moral era ensinada desde o berço, a vida condizente com a fé professada era algo de honra familiar. Aqueles homens e mulheres olhavam para Igreja com amor e temor, mas o temor sadio, temor que um filho tem do pai.

   Aquele povo tinha outra maneira de olhar a fé, para eles ter fé, não era ir a missa fim de semana, nem ter um terço no para-briza do carro, a fé para aqueles homens era motivo de esperança em uma vida melhor em uma eternidade. Por que digo tudo isso? Eu explico.

   Nossa sociedade aprendeu a olhar para estes fatos históricos como sendo superiores moralmente em comparação a sociedade medieval, tecendo julgamentos atrás de julgamentos, como se fossem um espelho de ética. Eu concordo muito que evoluímos em algumas áreas, principalmente a tecnológica, e regredimos em alguns conceitos morais, mas em alguns outros evoluímos, acredito ser de extrema importância o respeito entre religiões, o conceito de liberdade de expressão, e de respeito mutuo. Mas no século onde essa evolução de respeito ao diferente, de liberdade religiosa teve inicio, houve carnificinas de empilhar montanhas de corpos, e colher mares de sangue, tudo isso sabe quando? No século XI, XII, ou quem sabe estamos falando da era A.C? Não, eu estou falando do século passado, século esse que a 16 anos atrás ainda fazíamos parte, Stephane Courtois nos deu a conta de 100 milhões de mortos somente nesta era da “racionalidade”.

   Agora eu questiono, com que autoridade professores comunistas tentam tecer julgamentos morais sobre as cruzadas do século XII, e nem se quer falam dos milhões de mortos pela a ideologia que eles defendem? Qual o sentimento moralístico se encontra em um homem que julga acontecimentos do século XII ou XIII, alias, séculos para eles da “irracionalidade, dos mitos, da religiosidade racionalmente infundada” e nem se quer lembram, que nó século passado, Stalin estava mandando crianças desarmadas em batalhas contra os alemães, que Che Guevara estava matando a rodo aqui na América Latina, que Fidel Castro estava fuzilando milhares de pessoas, que Pol Pot estava colecionando crânios. Eu to falando do século que jurou ter vencido a irracionalidade religiosa, ter matado Deus, a era do super-homem de Friedrich Nietzsche, é nesta era onde se aboliu a terrível e opressora religião, que se matou mais que  idade média inteira, isto mesmo em 100 anos matou-se mais em nome de uma ideologia (comunismo) que em 1000 anos em nome de uma fé. Vimos que as cruzadas foi justificável, eu te questiono, qual a justificação que Stalin, Hitler, Pol Pot, Fidel Castro, Lênin teve?

Por que falam de inquisição e cruzadas, e não falam do comunismo assassino?

Conclusão.

Temos muito mais a agradecer do que nos perdoar, obviamente os cruzados não eram todos anjos, ou santos, houve sim abusos, e muitos acabaram se desviando do objetivo legitimo das cruzadas, mas longe de crermos em utopias onde se crê em uma sociedade perfeita, de homens sem defeitos, admitimos que nem todos os cruzados foram exemplos de cristãos, e por estes o São João Paulo II pediu perdão. Mas se olharmos por cima, tendo uma parâmetro geral tivemos e temos como reflexo daqueles heróis medievais muito mais a agradecer, se hoje somos cristãos e temos a honra de adorar Jesus Cristo, é porque um dia lá trás homens mulheres e crianças, tiveram a coragem de sangrar até a morte em honra de Cristo, por isso de hoje em diante ao dobrar seus joelhos diante de Cristo, lembre-se dos homens que morreram para que você pudesse ter tal honra.

   Tal batalha, perdurou por longo tempo, houve aproximadamente 9 cruzadas, com muitas baixas cristãs e maometanas, muitas batalhas perdidas, onde culminou a ultima grande batalha, chamada de batalha de Lepanto ( 7 de outubro de 1571), batalha esta travada nas águas, onde as tropas cristãs venceram e empurraram para trás as tropas maometanas, finalizando assim séculos de batalhas. Viva as batalhas bem travadas, a honra de morrer por Cristo. Obrigado guerreiros de Cristo.

Por: Pedro Henrique

Anúncios

2 responses to “O que não te contaram sobre as cruzadas

  1. Pedro Henrique, Deus te abençoe e te dê muita alegria. Obrigada de coração por este artigo.

  2. IVETE VAICEULIONIS BRANISSO

    Quero saber sobre os arautos do evangelho em Caieiras São Paulo.tenho recebido revistas deles,alguns dizem que não são Católicos,porém , tem padres . Você sabe explicar para mim,?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s