Category Archives: Bíblia

Esculturas de Santos são agradáveis a Deus

Capturar

Biblicamente, Deus não proíbe esculturas de santos. Vamos entender o que Deus proíbe. Ex 20,3”Não terás outros DEUSES diante de mim” se refere a deuses (ídolos-pesel- “פֶסֶל֙ ). Ex 20,4: “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra” (Bíblia Almeida). Obs.: Ídolos (êidolon) não tem nada a ver com imagens de santos (eikon).

Segundo as Escrituras quando alguém difama os santos do céu os chamando de ídolos é a própria besta que profere estas palavras.

Ao confundir os santos com ídolos você estará difamando os que moram no céu, pois A PALAVRA DIZ QUE A BESTA DIFAMARÁ OS SANTOS DO CÉU. Ap 13,6: “Ela abriu a boca para blasfemar contra Deus e amaldiçoar o seu nome e o seu tabernáculo, os que habitam nos céus”.  A PALAVRA DIZ QUE OS FALSOS MESTRES DIFAMARÃO OS SANTOS DO CÉU. 2Pd 2,10: “Especialmente os que seguem os desejos impuros da carne e desprezam a autoridade. Insolentes e arrogantes, tais homens não têm medo de difamar os seres celestiais;”. Jd 1,8: “Da mesma forma, estes sonhadores contaminam o próprio corpo rejeitam as autoridades e difamam os seres celestiais”.

A Bíblia nenhuma vez diz que os santos quando morrem se tornam ídolos. A PALAVRA DIZ QUE OS SANTOS QUANDO MORREM SÃO COMO ANJOS NO CÉU (Mt 22,30), especialmente os celibatários (Lc 20,34-36). E DEUS MANDA FAZER IMAGENS DE ANJOS (Ex 25,18). No Velho Testamento mostra que Josué se prostra diante de uma imagem (Js 7,6). O evangelho condena imagens de homens corruptíveis (Rm 1,23), mas os santos que seguem Jesus não são gerados em semente corruptível, E SIM REGENERADOS EM SEMENTE INCORRUPTÍVEL PELA GRAÇA DE DEUS, como explica São Pedro em 1Pe 1,23.

“IMAGEM DE ESCULTURA” não tem nada a ver com “ÍDOLO”; e “PROSTRAR-SE” não tem nada a ver com “ADORAR”. Além de Josué várias pessoas se prostram sem estar adorando. Moisés prostra-se diante do sogro (Ex18:7) , Deus diz que nações se prostrarão diante de Abraão (Gn 27,29) e Betsabéia prostra-se diante de Davi (1Rs 1,16-22). Ajoelhar-se não é idolatrar, é um sinal de respeito. E além das imagens dos anjos Deus manda fazer mais imagens como em Nm 21:8 e ainda relata que o palácio de Salomão era repleto de imagens (1Rs 6:23-29).

Muitas bíblias novas foram adulteradas pelos tradutores, alguns mudaram as passagens de Isaías 44: 9-10 e de 44:15-17 adicionando o termo imagem de escultura e tirando o termo “pesel”(ídolo) do original. O tradutor Almeida ainda adulterou a Bíblia adicionando o termo “procissão” em Isaías 45,20 que não existe no original nem nas Bíblias protestantes de outros países como “The new american standart bible”, “The king james version (authorized)”, “Spanish RV”, “Sociedade Bíblica Britânica”. Essa adulteração foi proposital, pois esse termo não existe nem na Bíblia judaica (the complete jewish bible – tenach). Deus jamais seria contra procissões, pois “PROCISSÃO” significa marcha para Deus. A procissão é um costume bíblico (Js 3,3; Nm 10,33-36; 2Cr 5,2), até o rei Davi participou de procissões (1Cr 15,25-29). As procissões eram idênticas às nossas: 1Co 15,15: “E os filhos de Levi, como o tinha ordenado Moisés, segundo a palavra do Senhor, LEVARAM A ARCA AOS OMBROS, POR MEIO DE VARAIS”.

O evangelho não cita imagens de escultura como idolatria. IDOLATRIA É APEGO AO DINHEIRO. Cl 3,5: “Especialmente a ganância, que é uma idolatria”. Ef 5,5: “O ganancioso que é idólatra”. A idolatria no evangelho é repreendida por Jesus quanto à adoração ao deus do ouro e da prata (Mamom), pois não se pode servir a dois senhores (Mt 6,24). Ou se serve ao deus do ouro e da prata, ou a Jesus, o pobre nazareno que não tinha nem onde reclinar a cabeça (Mt 8,20).

Curiosamente em Atos aparecem pessoas diante de uma imagem de escultura, mas a adoração era direcionada ao Deus altíssimo. At 17,23: “Pois entrando pela cidade, observei cuidadosamente SEUS OBJETOS DE CULTO e encontrei até um altar com esta inscrição: AO DEUS DESCONHECIDO. Ora, o que vocês adoram, apesar de não conhecerem, eu lhes anuncio”. Paulo mesmo os vendo diante da imagem sabia que a adoração não se dirigia à imagem, mas a Deus. OBS: o termo usado em Atos 17,23 não é santuário nem templo como mostram algumas traduções novas, mas vem da palavra “αντικειμένων – antekimenon” do grego que significa “objetos”.

Os Cristãos tem total direito de ver uma imagem de Jesus e se emocionarem ao memorizar o sacrifício do Calvário ou ver uma imagem de Nossa Senhora e refletir sobre o nascimento de Cristo e da obediência dela.

1Co 10,31: “Portanto, quer comais quer bebais ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus”.

Se imagens não fossem permitidas os profetas não as fariam dentro e fora do templo.

“Dentro e fora do templo, em volta de todas as paredes internas e externas, estavam pintados querubins e palmeiras. Havia uma palmeira no meio de cada dois querubins. Cada querubim apresentava duas faces: Para o lado de uma palmeira mostrava rosto humano e para o lado da outra palmeira mostrava rosto de leão, e assim por diante, ao redor de todo o templo” (Ezequiel 41,17-19).
Autor: Paulo Leitão de Gregório, ex-pastor protestante.

O Batismo de Crianças no Evangelho

Imagem

São Pedro no livro de Atos batizou mais ou menos três mil pessoas. At 2,41: “Os que aceitaram as palavras de Pedro RECEBERAM O BATISMO. Naquele dia, foram acrescentadas mais ou menos três mil pessoas”. Dessas três mil pessoas batizadas, será que tinha alguma criança? É só observar dois versículos antes que veremos que as promessas não são só para os adultos. At 2,39: “Pois a promessa É PARA VÓS E VOSSOS FILHOS”.
Era um costume apostólico batizar famílias inteiras, como Paulo batizava. Em At 16,15 Paulo batiza TODA A FAMÍLIA DE LÍDIA. Em At 16,33 Paulo batiza TODOS OS FAMILIARES DO CARCEIREIRO. E em 1Co 1,16 Paulo batiza A FAMÍLIA DE ESTÉFANAS. Muitos líderes proíbem o batismo de crianças indo totalmente contra o evangelho. O batismo é o primeiro sacramento da Nova Aliança, da mesma forma que a circuncisão era a primeira imposição da lei veterotestamentária. Muitos líderes por ignorância ou sectarismo, batizam a pessoa pela segunda vez, indo contra o evangelho. Ef 4,5: “Há um só Senhor, uma só fé, UM SÓ BATISMO”.
O batismo está para os cristãos como a circuncisão está para os judeus. E a circuncisão era feita no OITAVO DIA DE NASCIDO (Gn 17,12). Cl 2,11-12: “Nele fostes circuncidados, por circuncisão NÃO FEITA POR MÃO DE HOMEM, mas pelo desvestimento da vossa natureza carnal: Essa é a circuncisão de Cristo. FOSTES SEPULTADOS COM ELE NO BATISMO, também com Ele ressuscitastes, pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos”.
Existem muitas perguntas sobre batismo de crianças como: “Como pode uma criança ser batizada se a criança não tem nenhum pecado?”. Rm 5,12: “Eis porque: Como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado, a morte, assim a morte passou A TODOS OS HOMENS, PORQUE TODOS PECARAM”. Todos nós somos pecadores pela essência pecaminosa herdada de Adão, e o fato da criança não ter pecado cometido, não significa que ela não pode ser batizada, pois Jesus também não tinha pecado cometido e foi batizado aos 30 anos.
Como vimos em Colossenses 2,11-12 o batismo é a circuncião da Nova Aliança, e a circuncisão equivale ao batismo da velha aliança. Só que a circuncisão é uma ritualística da lei mosaica, e o batismo é um sacramento para os cristãos. 1Co 10,2: “Na nuvem e no mar, todos foram batizados em Moisés”. A igreja primitiva tem vários escritos sobre batismo: Orígenes (185 – 255 d.C.) escreveu: “A Igreja recebeu dos apóstolos a tradição de dar batismo aos RECÉM-NASCIDOS” (epíst. Ad rom. Livro 5,9). Esse escrito de Orígenes confirma o que Paulo diz em Cl 2,11-12 e o batismo de famílias inteiras em At 16,15 e 33 e 1Co 1,16. Caso contrário, o evangelho falaria a respeito. São Cipriano (258 d.C.) disse: “Do batismo e da graça não devemos afastar as crianças” (carta à Fido). São Cipriano confirma o que o próprio Jesus disse. Lc 18,16: “Jesus, porém chamou-as, dizendo: ‘DEIXAI AS CRIANCINHAS VIREM A MIM E NÃO AS IMPEÇAIS, POIS DELAS É O REINO DE DEUS’”.
Quanto à questão de o batismo ser por aspersão ou imersão, o evangelho mostra as duas formas. O termo “batismo – βάπτισμα” vem de mergulho, e daí deriva o nome “Batista”. E JOÃO BATISTA BATIZAVA POR IMERSÃO, pois viveu antes do Calvário. Depois da ressurreição de Cristo, podemos ver o batismo por aspersão, como os batismos feitos por São Paulo. Em At 9,17-18 Paulo estava na casa de Judas e não tinha mar, riacho ou algo do tipo dentro de uma casa. Como também em At 18,7-8 o batismo foi realizado dentro da casa de Tício.
O batismo é um dos sete sacramentos da Igreja, e seus efeitos são essencialmente dois: A purificação dos pecados e o novo nascimento do espírito.

Autor: Paulo Leitão de Gregório – Ex-pastor protestante.

A oração pelos mortos e o purgatório segundo a Bíblia

Imagem

Muitos creem que só há inferno e céu depois da morte. Sabendo que nada de impuro entra no céu (Ap 21,27), será que existem aqueles que não são salvos diretamente e passam por um fogo que não é o inferno ou uma prisão depois da morte para poder chegar ao céu? A Bíblia responde.

1Co 3,14: “Aquele cuja construção resistir ganhará o prêmio”. Nesse texto fica claro que aquele que resistir até o final ganhará galardão, mas  aquele que não resistir? 1Co 3,15: “Aquele cuja obra for destruída perderá o prêmio – mas ele mesmo será SALVO, COMO QUE ATRAVÉS DO FOGO”. A Igreja denomina purgatório esta purificação final dos eleitos, que é completamente distinta dos castigos dos condenados. Purgatório é o lugar onde se vai purgar o pecado como diz em Coríntios: “SERÁ SALVO como que através do fogo”. A  Bíblia deixa claro que uns passarão direto da vida para a morte, mas outros vão a julgamento. Se vão a julgamento e não passarão direto da vida para a morte, em algum lugar estão. Chamamos de purgatório. Jo 5,24: “Em verdade, em verdade, vos digo: quem escuta a minha palavra e crê naquele que me enviou possui a vida eterna e não vai a julgamento, mas passou da morte para a vida“. At 24,15: “Tenho em Deus a mesma esperança que eles têm: que há de acontecer a ressurreição dos justos e dos injustos“.

1Pe 3,19: “No espírito, Ele foi pregar também aos ESPÍRITOS NA PRISÃO”. Mt 5,25-26: “E tu serás jogado na prisão. Em verdade, te digo: Dali não sairás, ENQUANTO NÃO PAGARES O ÚLTIMO CENTAVO”. O purgatório é uma prisão, como um mundo depois da morte onde pode haver perdão. Mt 12,32: “Todo o que tiver falado contra o Filho do Homem será perdoado. Se, porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão NEM NESTE MUNDO NEM NO MUNDO VINDOURO”. A misericórdia, porém, triunfa sobre o julgamento (Tiago 2,13). O purgatório é fruto da misericórdia de Deus.

1Pe 4,5-6: “Mas eles terão de prestar contas àquele que está pronto para julgar OS VIVOS E OS MORTOSPois também aos mortos foi anunciado a Boa Nova, para que, mesmo julgados da maneira humana na carne, eles pudessem viver pelo espírito, conforme o desejo de Deus”. Já que Cristo julgará os vivos e os mortos, devemos rezar pelos mortos? O apóstolo Paulo rezou.

Observe que em 2Tm 1,16 Paulo reza  pela família do falecido, mas no versículo 18 Paulo reza pelo próprio morto. 2Tm 1,16: “O Senhor faça misericórdia à família de Onesíforo, porque muitas vezes me confortou e não teve vergonha das minhas correntes”. V17: “Pelo contrário, tendo chegado à Roma, procurou-me diligentemente até me encontrar”. V18: “O Senhor LHE CONCEDA ALCANÇAR MISERICÓRDIA DA PARTE DO SENHOR, NAQUELE DIA”. No final da carta ele manda saudações à família de Onesíforo (2Tm 4,19), como Moises ao falar com Deus lembra Abraão,Isaac e Israel estando estes JÁ MORTOS (Ex 32,13).

Em 2Mc 12,42-44 mostra Judas Macabeu investindo em sacrifícios pelos pecados dos mortos. Há quem chame esse livro de apócrifo, não sabendo que em Hb 11,35 é citado 2Mc 7 e 1Tm 5,23 cita 2Mc 15,39. Se fosse apócrifo São Paulo não citaria no Novo Testamento.

1Co 15,29: “ Se não fosse assim, que proveito teriam aqueles que se fazem batizar pelos mortos? Se os mortos realmente não ressuscitam, por que se batizam por eles?”.

Obs.: O batismo é um procedimento que serve para o perdão dos pecados (Atos 2,38 e 22,16). Se alguém se fazia batizar por outro era para que esse outro fosse salvo através do batismo e da força da fé de quem se batizava. A oração pelos mortos tem o mesmo objetivo.

Autor: Paulo Leitão de Gregório, ex-pastor protestante. 

Afinal nós católicos somos adoradores de imagens??

29A mais decorrente acusação feita a nós católicos e também a mais simplória de todas as argumentações protestante; Seria que nós adoramos imagens e por isso seriamos idólatras, acho que assim como eu todos os católicos já estão de saco cheio destas acusações sem fundamento teológico, apenas contendo um ego inflado de um protestante tentando a toda custa dar razão a sua contrariedade com a fé católica, então neste artigo quero dar minha resposta final para este tema, do qual sinceramente já me cansei de tento responder a mesma objeção.

A principal objeção Bíblica utilizada pelos protestantes seria que em êxodo Capitulo 20 há uma proibição expressa da confecção de imagens, “Não farás para ti imagem esculpida do que há em cima no céu, e do que há embaixo na terra, nem do que há nas águas debaixo da terra”(Ex 20,4), ou, “não vos perverteis, fazendo para vós uma imagem esculpida em forma de homem ou mulher, figura de algum animal terrestre, de algum pássaro que voa no céu, de algum réptil que rasteja sobre o solo, ou figura de algum peixe que há nas águas que estão sob a terra.” (Deuteronomio 4, 15-18). por isso então nós católicos estaríamos em pecado desobedecendo a Deus ao confeccionarmos imagens e ainda prestarmos culto, porém antes de qualquer coisa quero apontar algumas contradições já através destas afirmações, essa passagem esta em Êxodo ou seja, na antiga aliança, a maioria dos pastores do qual já eu conversei eles afirmam que a antiga lei e suas regras e costumes estão anulados, pois foi aperfeiçoada pela nova aliança, aqui não se trata de concordarmos ou não, mas se isto for verdade não deveria eles se preocuparem tanto assim com uma proibição de costumes do antigo testamento, se assim for terá eles, de se tornarem rabinos ao invés de pastores diante das tamanhas prescrições que há no culto da antiga aliança. Antes de entrarmos no mérito das Imagens em si temos de entender o que é Adoração, veneração e idolatria, vejamos:

  • Adoração: É reconhecer alguém como sendo supremo e eterno, estando acima de todas as coisas criadas, tendo tudo em si próprio quanto às características de Deus.
  • Veneração: É reconhecer alguém como digna de ser imitada e seguida, pelas suas virtudes e santidade.
  • Idolatria: É colocar algo ou alguém no lugar de Deus, prestando a este algo/alguém culto de ADORAÇÃO, atribuindo a ele as características de Deus.

Depois desta breve explicação vamos ao que interessa, dividiremos a explicação em 4 Partes, Contexto Histórico, contexto Bíblico, Imagens no cristianismo primitivo e lógica.

Contexto Histórico:

Se lermos a história do povo Hebreu desde o inicio, veremos que este povo passou por muito tempo sendo escravo do povo Egípcio, essa nação Hebraica era o povo do qual Deus tinha feito sua aliança desde Abraão, trazendo então a tradição do culto ao único Deus criador, porém o povo egípcio era uma nação politeísta, ou seja, cultuavam vários deuses, tanto que quando Deus levantou Moisés e a primeira missão dele foi tentar converter o líder egípcio através dos sinais divinos de Yahweh, porém como vimos isto não aconteceu, por conta da escravidão, era proibido ao povo hebreu adorar a Deus, sendo assim por muitos hebreus acabaram até por abraçar o politeísmo, este povo era um povo muito frágil na sua fé, por conta da exploração que sofriam, até pelo suposto “abandono” de Deus. Então depois da libertação dos hebreus dos egípcios houve grande provações ainda para os hebreus, o deserto, e ali no deserto vemos que a cultura politeísta havia sido colocada 01naquele povo,  vemos isto claramente quando o povo fica sem Moisés que tinha subido o monte para pegar as tábuas da lei, eles então sem seu líder e se sentindo só, resolvem fazer um bezerro de ouro para que eles pudessem adorar, com as joias de seu próprio povo e no final da confecção eles dizem: “Este é o teu Deus, ó Israel, o que te fez subir da terra do Egito.”  Exodo 32, 4 , Deus já conhecendo seus corações sabia das intenções dos hebreus de traí-lo tanto que ele tinha advertido já por muitas vezes para não caírem neste erro, sendo assim olhando o contexto histórico podemos ver que Deus tinha sérios motivos para proibição, mas veremos no contexto bíblico que Deus não proibiu IMAGENS mas sim IDOLOS, o povo hebreu tinha um serio problema com a idolatria, fazendo assim Deus constantemente repreender os hebreus, depois deste acontecido com o bezerro de ouro Deus fala a Moisés: “Vai, desce, porque o teu povo, que fizeste subir da terra do Egito, perverteu-se” Êxodo 32, 7, era necessário Deus fazer uma repreensão a seu povo pois eles ainda estavam inculturado com o politeísmo egípcio. Podemos ver então o porque das palavras de Deus no capitulo 20 fazendo tal proibição, porém será que Deus realmente proibiu a confecção de imagens? Vem comigo para o próximo tópico e descobriremos.

Contexto Bíblico:

Ter uma Imagem não necessariamente é ser idolatra ou ter um Ídolo, como eu posso afirmar isso? Simples, Deus manda que se façam imagens. Lemos na Bíblia que no deserto o povo escolhido passa por poucas e boas, e um dos males são as picadas de serpentes e como sinal de ação divina Deus manda que se faça uma serpente de Bronze em uma haste para que todos que 02fossem picados pelas serpentes, olhassem para a serpente de bronze e fossem curados (ler: Números 21, 8), não obstante a bíblia nos da mais exemplos disso, a confecção da arca da Aliança; Quando Deus manda que se faça a Arca da Aliança ele pede que se ponha na parte superior dela dois Querubins de ouro batido, (ler: Exodo 25.10-22; Hebreus 9,3-5) a bíblia parece então cair em

03

Arca da Aliança com querubins de ouro batido.

uma contradição, porém devemos analisar o contexto aqui exposto, Deus tinha muitos motivos para proibir a Idolatria, seu povo tinha acabado de ser liberto de uma nação pagã politeísta que tinha muitos deuses representado por imagens, e como vimos sua fé não era das mais fortes, porém isto quer dizer que Deus proibiu as imagens? Claro que não, se assim fosse Deus depois de alguns capítulos teria se contradito (Deus proíbe imagens: Ex 20,4), Deus manda fazer imagens: Êxodo 25.10-22) ora, esta óbvio que o que Deus proíbe é a IDOLATRIA das imagens e não as imagens em si, pois se Deus proibiu as imagens realmente ele seria contraditório, e contradição é erro, se Deus erra logo não é perfeito e não poderia ser Deus, então diante destas constatações os protestantes ficam em uma posição realmente incomoda, Porém eles são astutos e tentam colocar a confusão em nossa cabeça como por exemplo os textos por eles citados como argumentos (Ex 20,4, Deut 4, 15-18). Vamos fazer uma breve Exegese bíblica aqui para entendermos a confusão que os protestantes colocam em nossas cabeças, começando pelo texto de (Ex 20,4) onde lemos: “Não farás para ti imagem esculpida do que há em cima no céu, e do que há embaixo na terra, nem do que há nas águas debaixo da terra” a Tradução literal deste texto originalmente escrita em hebraico no lugar de “imagem esculpida” estaria a Palavra “ídolos” na passagem em Hebraico se Le em caracteres em hebraico o seguinte:  “פֶסֶל֙ ” Transliterado para nossos caracteres fica assim: (fessel ou pecel) que significa literalmente Ídolo, o Texto estaria assim originalmente trocando as palavras traduzidas para as palavra originais: “Não farás para ti “פֶסֶל֙ ” (fessel ou pecel= Idolo) do que há em cima no céu, e do que há embaixo na terra, nem do que há nas águas debaixo da terra” Êxodo 20, 4, a palavra Imagem em Hebraico é: “צלם”  bem diferente da palavra ídolo transliterado fica: (tselem –imagem).

Podemos constatar de tudo isso a clara intenção de Deus proibir os ídolos não as Imagens em si, pois se não como já foi dito a cima Deus seria contraditório pois ele mesmo ordena a confecção de imagens, é bem verdade que as traduções bíblicas trazem em sua maioria inclusive as católicas a palavra “Imagem, ou Imagem esculpida” mas isto se faz necessário pois vimos que os deuses antigos era representados através de esculturas e imagens realmente, porem é fácil entender que o problema não esta na imagem, mas no povo que fabrica os ídolos e na sua fraqueza de fé, não é por que a faca pode ser usado como arma, que todos que possuem uma faca ira usa-la como um armamento, não esta o problema na imagem mas sim na forma que você a usa, para a imagem se tornar um ídolo tem de se seguir o modelo de adoração acima citado, tem de se reconhecer que alguma Imagem, esta acima de todas as coisas criadas,(como foi citada em: Êxodo 32, 7) e dar-lhe atributos de Deus, tirando essa forma de conceber imagem como ídolo acaba desconfigurando um ato de idolatria.

No texto de: “Não farás para ti imagem esculpida do que há em cima no céu, e do que há embaixo na terra, nem do que há nas águas debaixo da terra”(Êxodo 20,4) percebemos uma preocupação de Deus com a confecção de imagens, porem há um por que, perceba que para cada especificação, de animais há um Deus pagão ao qual Deus se refere indiretamente.

O que estava no céu, eram os deuses dos ares do Egito:

02RÁ (ou Rê), o criador dos deuses e da ordem divina egípcia. Foi retratado pela arte egípcia sob muitas formas e denominações e era também representado por um falcão, por um homem com cabeça de falcão ou ainda, mais raramente, por um homem. Quando representado por uma cabeça de falcão estabelecia-se uma identidade com Hórus, outro deus solar adorado em várias partes do país desde tempos remotos.

03Í BIS, uma ave pernalta de bico longo e recurvado. Existe uma espécie negra e outra de plumagem castanha com reflexos dourados, mas era o íbis branco, ou íbis sagrado,que era considerado pelos egípcios como encarnação do deus Thoth. Um homem com cabeça de íbis, era outra das representações daquele deus.

04HÓRUS, filho de Isis e Osíris. Ele é representado como um homem com cabeça de falcão ou como um falcão, sempre usando as duas coroas do Alto e Baixo Egito. Na qualidade de deus do céu, Hórus é o falcão cujos olhos são o sol e a lua.

05TOTH, era o deus-escriba e o deus letrado por excelência. Representado como um íbis ou um homem com cabeça de íbis, ou ainda um babuíno.

“…embaixo na terra…”. (Êxodo 20, 4)

O que estava na terra eram os deuses e animais terrestres do Egito:

06ANÚBIS, filho de Seth e Néftis, é o mestre dos cemitérios e o patrono dos embalsamares. É na realidade o primeiro entre eles, a quem se deve o protótipo das múmias, a de Osíris. Todo egípcio esperava beneficiar-se em sua morte do mesmo tratamento e do mesmo renascimento desta primeira múmia. Anúbis também introduz os mortos no além e protege seus túmulos com a forma de um cão, vigilante.

07ÁPIS, o boi sagrado que os antigos egípcios consideravam como a expressão mais completa da divindade sob a forma animal e que encarnava, ao mesmo tempo, os deuses Osíris e Ptah. O culto do boi Ápis, em Mênfis, existia desde a I dinastia pelo menos. Também em Heliópolis e Hermópolis este animal era venerado desde tempos remotos. Essa antiga divindade agrária, simbolizava a força vital da natureza e sua força geradora.

08KHEPRA, (escaravelho, em egípcio) ou um homem com um escaravelho no lugar da cabeça também representavam o deus-Sol. Nesse caso o besouro simbolizava o deus Khepra e sua função era nada menos que a de mover o Sol, como movia a bolazinha de excremento que empurrava pelos caminhos. Associados à idéia mitológica de ressurreição, os escaravelhos eram motivo freqüente das peças de ourivesaria encontradas nos túmulos egípcios.

09BABUINO ou cinocéfalo é um grande macaco africano, cuja cabeça oferece alguma semelhança com os cães. No antigo Egito este animal estava associado ao deus Thoth, considerado o deus da escrita, do cálculo e das atividades intelectuais. Era o deus local em Hermópolis, principal cidade do Médio Egito. Deuses particularmente numerosos parecem ter se fundido no deus Thoth: deuses-serpentes, deuses-rãs, um deus-íbis, um deus-lua e este deus-macaco.

10APÓFIS, a serpente que habitava o além-túmulo, representava as tempestades e as trevas. As serpentes estavam entre os adversários mais perigosos e o demônio líder de todos eles era Apófis a grande serpente.

11BASTET, uma gata ou uma mulher com cabeça de gata simbolizava a deusa Bastet e representava os poderes benéficos do Sol. Seu centro de culto era Bubástis, cujo nome em egípcio ( Per Bast ) significa a casa de Bastet. Em seu templo naquela cidade a deusa-gata era adorada desde o Antigo Império e suas efígies eram bastante numerosas, existindo, hoje, muitos exemplares delas pelo mundo.

12GEB, o deus da Terra é irmão e marido de Nut. É o suporte físico do mundo material, sempre deitad o sob a curva do corpo de Nut. Ele é o responsável pela fertilidade e pelo sucesso nas colheitas. Ele estimula o mundo material dos indivíduos e lhes assegura enterro no solo após a morte. Geb umedece o corpo humano na terra e o sela para a eternidade. Nas pinturas é sempre representado com um ganso sobre a cabeça.

“…ou nas águas debaixo da terra.”. (Êxodo 20, 4)

Por fim o que estava nas águas eram justamente os deuses animais que ficavam nas águas e que eram adorados no Egito:

13SEBEK, um crocodilo ou um homem com cabeça de crocodilo representavam essa divindade aliada do implacável deus Seth. O deus-crocodilo, era venerado em cidades que dependiam da água, como Crocodilópolis.

14TUÉRIS, (Taueret ) era a deusa-hipopótamo que protegia as mulheres grávidas e os nascimentos. Ela assegurava fertilidade e partos sem perigo. Adorada em Tebas, é representada em inúmeras estátuas e estatuetas sob os traços de um hipopótamo fêmea erguido, com patas de leão, de mamas pendente s e costas terminadas por uma espécie de cauda de crocodilo.

            Para encerrarmos este tópico em (Col 3,5) Paulo alerta que não há somente idolatria através de imagem, citando que por exemplo a Avareza é um tipo de idolatria. Obs: existem mais passagens se referindo a imagens, mas estas bastam para desmascarar o argumento protestante.

            Imagens e os Primeiros Cristãos:

            Os primeiros cristãos já desde cedo entenderam a importância das imagens como uma forma de lembrança dos mártires e santos Católicos, as representações em grutas do primeiro século deixa isso muito mais que evidente. Acho que como o ditado diz, apesar de eu não concordar, “uma imagem fala mais que mil palavras” vamos mostrar com imagens estas verdades

05

Imagem que retrata a história dos 3 jovens na fornalha cantada pelo livro de Daniel, nas paredes da Catacumba de Priscila em Roma

06

Retratação de Jonas sendo vomitado pela baleia – Catacumba de São Marcelino e Pedro em Roma.

07

Noé na Arca – Catacumba de São Marcelino e Pedro em Roma.

08

Maria e o Profeta – Catacumba de Priscila em Roma (Século III)

09

O bom pastor – Catacumba de Priscila em Roma (Século III)

10

Catacumba dos Santos Marcelino ePedro na Via Labicana .Cristo entre Pedro e Paulo. Para os lados são os mártires Gorgonius, Pedro Marcelino , Tiburtius. Este cemitério está no terceiro marco na Via Labicana, perto de uma vila imperial pertencente a Constantino.Século IV 

11

Pyxis Retratando mulheres no sepulcro de Cristo (Século IV)

            Todas essas fotos datadas do século II ao século IV, tirada das catacumbas de mártires e santos cristãos confirmando duas coisas a crença na validade das imagens e a intercessão dos santos, visto a foto que Cristo esta entre Paulo e Pedro no terceiro marco da Via Labicana.

            Alem disso os primeiros Cristãos do século II já viam a imagem como algo divino, citando: S. Clemente de Alexandria († antes de 215) dizia que: “O próprio homem é a imagem viva de Deus”

“O desenho mudo sabe falar sobre as paredes das igrejas e ajuda grandemente” (Panegírico de S. Teodoro, PG 94, 1248c).

S.João Damasceno, doutor da Igreja, grande defensor das imagens no Concilio de Nicéia II, disse:“O que a Bíblia é para os que sabem ler, a imagem o é para os iletrados” (De imaginibus I 17 PG, 1248c).

“A beleza e a cor das imagens estimula minha oração. É uma festa para os meus olhos, tanto quanto o espetáculo dos campos estimula o meu coração para dar glória a Deus” (CIC, 1162).

            Não é difícil notar o obvio, a Igreja primitiva sempre acolheu as imagens como veneráveis e uteis a oração e meditação do sagrado, e nunca ensinou ou propagou que deveríamos adora-la.

            Lógica:

            Deixei a lógica por ultimo, não por ser menos importante, mas por ser a mais obvia tudo o que vemos através de nossos olhos é uma imagem, se você estiver na frente de seu PC agora e fechar os olhos não estará vendo, mas sua mente poderá imaginar a cena que acabou de ver antes de fechar os olhos, a cena que vera será representada por seu cérebro através de imagens captadas e registradas, ora Deus proibiria o obvio? Ele mesmo utiliza da expressão “imagem” para declarar que somos a sua imagem e semelhança (ler: Gênesis 1, 26), ou seja, nós somos imagens, ignorar esta realidade seria ignorar a criação, pois tudo que é visível, e tem matéria certamente terá uma imagem, é lógica.

Considerações:

Depois deste texto, espero que tenha ficado claro tudo sobre esta questão, não se trata de heresia católica, mas falta de sinceridade protestante de aceitar tal realidade, o culto de veneração que damos ao santo, nos é avivado quando vemos a imagem dela representada, assim como uma mãe acolhe com saudades uma foto de um filho que já morreu ou que esta longe, se ela chora, ou até mesmo beija aquela foto, não significa que ela o adore, apenas que aquela imagem lhe trás saudades e bons motivos para ter ela em sua casa, sejamos sinceros, chega de falta intelectualidade e ignorâncias teológicas aceitem aquilo que é obvio, pois negar o incontestável beira a loucura.

Autor: Pedro Henrique Alves

Citações de consultas e bibliografias:

RODRIGUES,Rafael.http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/imagens/524-deus-proibiu-a-fabricacao-de-imagens. Acessado :01/11/2013

http://www.exsurge.com.br/apologeticas/idolatria/textos%20idolatria/adorarimagens.htm . Acessado :01/11/2013

http://www.exsurge.com.br/apologeticas/idolatria/textos%20idolatria/idoloseimagenssagradasColocandoascoisasemordem.htm Acessado :01/11/2013

http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_commissions/archeo/inglese/documents/rc_com_archeo_doc_20011010_cataccrist_en.html#Origini Acessado :01/11/2013

http://www.catacombe.roma.it/en/catacombe.php Acessado :01/11/2013

RODRIGUES,Rafael.http://apologistascatolicos.com/index.php/apologetica/imagens/541-o-uso-das-imagens-no-cristianismo-primitivo Acessado :01/11/2013

http://www.exsurge.com.br/apologeticas/idolatria/textos%20idolatria/asimagensnatradicaodaigreja. htm Acessado: 01/11/2013

Bíblia Usada:

Bíblia de Jerusalém, Editora: Paulus

Os Cristãos celebram o Domingo

Imagem

No velho testamento os judeus tinham o costume de guardar o sábado (Ex 16,23), costume esse dirigido somente aos israelitas (Lv 24,8; 25,2). Esse costume foi mantido até a vinda de Cristo, mas depois de Cristo o sábado foi QUEBRADO POR JESUS E PELOS APÓSTOLOS. João 5,17: “MEU PAI TRABALHA SEMPRE, E EU TAMBÉM TRABALHO”. Os fariseus que não quiseram seguir Jesus continuaram guardando o sábado e criticando o próprio Jesus e os apóstolos que não o guardavam. Mt 12,2: “OS FARISEUS, vendo aquilo, lhe disseram: ‘OLHA, TEUS DISCÍPULOS ESTÃO FAZENDO O QUE NÃO É PERMITIDO NO SÁBADO’”.

As atitudes de Jesus tinham um sentido de exortação. Ele poderia curar o cego de qualquer maneira, mas por que ele precisou fazer lodo? Só para trabalhar, porque era sábado. O apóstolo Paulo criticava muito quem guardava o sábado, Gl 4,10-11: “GUARDAIS DIAS, E MESES, E TEMPOS, E ANOS. RECEIO DE VÓS QUE HAJA EU TRABALHADO EM VÃO PARA CONVOSCO”, como também exortava os da lei que perseguiam os cristãos por não guardarem o sábado. Cl 2,16: “Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou DOS DIAS DE SÁBADO”.

A ritualística de guardar o sábado está associada à mesma lei que impõe o sangue de animais (1Cr 23,31 e 2Cr 31,3), mas o sangue de Cristo que é o Novo Testamento diz que se alguém guardar uma só ordenança da lei está debaixo de maldição, e terá que guardar toda a lei (Gl 3,10).

O repouso sabático do Cristão acontecerá no fim das obras, quando partir para junto do Pai (Hb 4,9-10). No velho testamento já era profetizado que o sábado seria quebrado por Cristo e pelo seu povo. Os 2,11: “ACABAREI com suas alegrias: Suas festas anuais, suas luas novas, SEUS DIAS DE SÁBADO e todas as suas festas fixas”. Depois do rompimento do sábado o Novo Testamento o substitui pelo DOMINGO, pois o DOMINGO é santificado por Jesus e pelos apóstolos.

– Jesus ressuscitou no DOMINGO, 1º dia da semana judaica (Jo 20,1).

– Jesus apareceu, pela primeira vez, a todos os seus discípulos ao DOMINGO (Jo 20,19).

– A segunda aparição de Jesus foi também ao DOMINGO (Jo 20,26).

– O pentecostes foi no DOMINGO (At 2,1).

Obs.: A palavra pentecostes significa “cinquenta” e servia para designar essa festa judaica. Na passagem de Lv 23,15-16 fica claro que a festa devia ser celebrada NO DIA SEGUINTE DO SÁBADO.

– Foi também ao DOMINGO que o primeiro dos apóstolos (Pedro) fez o primeiro sermão de evangelização e aconteceram as primeiras conversões da igreja (At 2,14 e 2,41).

– A igreja não judaica reunia-se no DOMINGO e nesse dia Paulo pregou no meio de uma assembléia eucarística (reunimo-nos para partir o pão) (At 20,6-7).

– A igreja fazia as coletas de caridade no PRIMEIRO DIA DA SEMANA (1Co 16,10).

E fica claro pelos escritos que na era primitiva se celebrava o DOMINGO e que foi mantido o costume apostólico pelos cristãos primitivos.

– Epístola de Barnabé, (entre 70 e 120 d.C.): Portanto nós guardamos o oitavo dia para celebrar.

– Didaké, (entre 70 e 110 d.C.): Reunidos cada dia do Senhor parte o pão e dá graças. Como a eucaristia celebrada por Paulo (At 26,7).

– Inácio, (pelos anos 80-90 d.C.): Por isso, os que se criaram na antiga ordem das coisas vieram à novidade da esperança, NÃO GUARDANDO O SÁBADO, mas VIVENDO SEGUNDO O DOMINGO, dia em que, TAMBÉM AMANHECEU A NOSSA VIDA.

– Justino Mártir, (150 d.C.) mas o DOMINGO é o primeiro dia em que celebramos a nossa Assembléia Comum.

– Apocalipse 1,10: “κυριακη” = DOMINGO – dia do Senhor

O Senhor Deus já dizia no velho testamento: Os 2,11 (bíblia protestante ou hebraica) Os 2,13 (bíblia católica-cristã ou grega): “Acabarei com os sábados”.

Autor: Paulo Leitão de Gregório, ex-pastor protestante.

O Batismo de Crianças no Evangelho

Imagem

São Pedro no livro de Atos batizou mais ou menos três mil pessoas. At 2,41: “Os que aceitaram as palavras de Pedro RECEBERAM O BATISMO. Naquele dia, foram acrescentadas mais ou menos três mil pessoas”. Dessas três mil pessoas batizadas, será que tinha alguma criança? É só observar dois versículos antes que veremos que as promessas não são só para os adultos. At 2,39: “Pois a promessa É PARA VÓS E VOSSOS FILHOS”.

Era um costume apostólico batizar famílias inteiras, como Paulo batizava. Em At 16,15 Paulo batiza TODA A FAMÍLIA DE LÍDIA. Em At 16,33 Paulo batiza TODOS OS FAMILIARES DO CARCEIREIRO. E em 1Co 1,16 Paulo batiza A FAMÍLIA DE ESTÉFANAS. Muitos líderes proíbem o batismo de crianças indo totalmente contra o evangelho. O batismo é o primeiro sacramento da Nova Aliança, da mesma forma que a circuncisão era a primeira imposição da lei veterotestamentária. Muitos líderes por ignorância ou sectarismo, batizam a pessoa pela segunda vez, indo contra o evangelho. Ef 4,5: “Há um só Senhor, uma só fé, UM SÓ BATISMO”.

O batismo está para os cristãos como a circuncisão está para os judeus. E a circuncisão era feita no OITAVO DIA DE NASCIDO (Gn 17,12). Cl 2,11-12: “Nele fostes circuncidados, por circuncisão NÃO FEITA POR MÃO DE HOMEM, mas pelo desvestimento da vossa natureza carnal: Essa é a circuncisão de Cristo. FOSTES SEPULTADOS COM ELE NO BATISMO, também com Ele ressuscitastes, pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos”.

Existem muitas perguntas sobre batismo de crianças como: “Como pode uma criança ser batizada se a criança não tem nenhum pecado?”. Rm 5,12: “Eis porque: Como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado, a morte, assim a morte passou A TODOS OS HOMENS, PORQUE TODOS PECARAM”. Todos nós somos pecadores pela essência pecaminosa herdada de Adão, e o fato da criança não ter pecado cometido, não significa que ela não pode ser batizada, pois Jesus também não tinha pecado cometido e foi batizado aos 30 anos.

Como vimos em Colossenses 2,11-12 o batismo é a circuncião da Nova Aliança, e a circuncisão equivale ao batismo da velha aliança. Só que a circuncisão é uma ritualística da lei mosaica, e o batismo é um sacramento para os cristãos. 1Co 10,2: “Na nuvem e no mar, todos foram batizados em Moisés”.  A igreja primitiva tem vários escritos sobre batismo: Orígenes (185 – 255 d.C.) escreveu: “A Igreja recebeu dos apóstolos a tradição de dar batismo aos RECÉM-NASCIDOS” (epíst. Ad rom. Livro 5,9). Esse escrito de Orígenes confirma o que Paulo diz em Cl 2,11-12 e o batismo de famílias inteiras em At 16,15 e 33 e 1Co 1,16. Caso contrário, o evangelho falaria a respeito. São Cipriano (258 d.C.) disse: “Do batismo e da graça não devemos afastar as crianças” (carta à Fido). São Cipriano confirma o que o próprio Jesus disse. Lc 18,16: “Jesus, porém chamou-as, dizendo: ‘DEIXAI AS CRIANCINHAS VIREM A MIM E NÃO AS IMPEÇAIS, POIS DELAS É O REINO DE DEUS’”.

Quanto à questão de o batismo ser por aspersão ou imersão, o evangelho mostra as duas formas. O termo “batismo – βάπτισμα” vem de mergulho, e daí deriva o nome “Batista”. E JOÃO BATISTA BATIZAVA POR IMERSÃO, pois viveu antes do Calvário. Depois da ressurreição de Cristo, podemos ver o batismo por aspersão, como os batismos feitos por São Paulo. Em At 9,17-18 Paulo estava na casa de Judas e não tinha mar, riacho ou algo do tipo dentro de uma casa. Como também em At  18,7-8 o batismo foi realizado dentro da casa de Tício.

O batismo é um dos sete sacramentos da Igreja, e seus efeitos são essencialmente dois: A purificação dos pecados e o novo nascimento do espírito.

Autor: Paulo Leitão de Gregório, ex-pastor protestante.