Category Archives: Homossexualismo

Beijo da decadência!

37Ontem (31/01/2014) estava em um clima de descontração aqui em casa por volta das 22 horas. Minha namorada, eu, minha irmã e meu cunhado jogávamos truco. Depois que deixei minha namorada em sua residência fui ter um pouco de descontração junto ao meu notebook, foi quando vi os católicos, e outras pessoas de bom senso do meu facebook indignados com o beijo gay que aconteceu na novela global. Para mim não era novidade alguma por dois motivos: o primeiro porque se trata de rede globo. Quem espera obter cultura e intelecto moral através da rede globo? Segundo, porque já tinha visto através da mídia que essa cena iria acontecer; Então vocês se perguntam: “Por que ele então resolveu gastar seu precioso tempo com este tema?” Por vários motivos. Primeiro que quando me dispus a ser um apologista católico, eu me entreguei à função de guiar o maior número de pessoas a verdade Católica, e não preciso nem dizer que o beijo gay não foi nada católico não é? E também é claro, por que algumas pessoas pediram para que eu escrevesse sobre este tema.

Vamos lá, acabarei por fim repetindo algumas coisas que em conversa ou em texto mesmo eu já disse. A novela hoje, assim como alguns filmes são usados por grupos específicos para fins de coerção e imposição de uma visão determinada. Por exemplo, a homossexualidade. Vocês acham que este tema abordado com tanta veemência e com tanto furor é apenas uma historinha a mais de novela, ou mais um conto de romance às avessas?  Não. E sim um trabalho minucioso e rasteiro, que a longo prazo visa a desmoralização do casal e da família como um todo. A engenharia social hoje não é algo escondido, ou que necessite de grande inteligência para percebê-la, porém é preciso muita coragem para contrariá-la.

26Argumentação:

1-      As novelas em um geral tentam colocar a homossexualidade como um fator “normal” na sociedade, tentando igualizar o casal hétero com a dupla gay, fazendo assim um trabalho de “socialização” dos gays, tentando esconder a moralidade e a verdade atrás de sentimentalismos artísticos. Podemos colocar que aproximadamente mais de 90% da população Brasileira assistem novela, e inconscientemente se deixam formar pelas opiniões ali expostas. Sendo assim a novela trabalha como doutrinadora de novos “valores sociais” que se são impostos a nós.

2-      O beijo gay em TV aberta e em horário nobre televisiva, mostra claramente a falta de pudor, e como é feroz a tentativa de imposição de uma nova moral mundial, o homossexualismo já não é algo que se baseia apenas na escolha pessoal do indivíduo, mas sim agora é uma imposição: “VOCÊ TEM QUE ACEITAR”, “VOCÊ TEM QUE ENSINAR QUE O HOMOSSEXUALISMO É UMA VERTENTE POSSIVÉL NA SEXUALIDADE HUMANA”, “SEUS FILHOS TEM QUE SER ENSINADOS NESTES MOLDES DE ÉTICA”.

3-      A doutrinação emocional: Pelo o que eu perguntei a quem assistia a esta novela, os personagens gays nesta novela “Amor a vida” sempre sofreram em algum momento das suas vidas alguns traumas ou descaso, como se isso justificasse a homossexualidade. Sendo assim o telespectador é levado a todo o momento a ter sentimentos reais pelos personagens, seja de raiva ou de compaixão, e por fim levado a aceitar o “casal” gay como saída para o trama. Ou seja, a razão dá espaço para os sentimentos não havendo mais senso crítico, mas apenas sentimentalismo guiando e condicionando a formação de sua opinião sobre o tema: Homossexualidade.

36

Por fim quero explicar que quanto às escolhas pessoais não tenho nada a dizer e nem opinar, afinal de suas escolhas pessoais são vocês quem colherão as consequências, porém, quero que entendam que a imposição cultural é algo totalmente vil e sem sentido democrático, e isso vale também a imposição religiosa de qualquer tipo. Como futuro filósofo formado, entendo que todos os assuntos devem ser levados a debate em busca da verdade última, salientando a racionalidade e não impulsos emocionais. É totalmente claro que em uma sociedade cristã como o Brasil que tem nos preâmbulos de sua constituição que “todo poder emana do povo” o homossexualismo não é algo apreciado publicamente, sendo assim devemos buscar uma ética que satisfaça a população como um todo e não um grupo específico, e mais claro ainda que os pais não queiram que seus filhos recebam uma criação a qual serão condicionados a serem ou aceitar ditatorialmente a homossexualidade. Creio firmemente que enquanto matéria de moral seja você um hétero pervertido ou um Gay recatado, estes devem guardar seus apetites sexuais para o âmbito individual, e compartilhar com quem quer viver em quatro paredes aquilo que você decidiu viver também. Mas não me faça engolir forçosamente aquilo que a moral e a natureza imutável condenam, ao que se entende como casal, só existe uma possibilidade o Homem e a Mulher.

Autor: Pedro Henrique Alves

Revisora: Pâmela Hervatin

Fotos: Google Imagens

Para Citar: ALVES, Pedro Henrique, Beijo da decadência, pode ser acessado em: https://proecclesiacatholica.wordpress.com/2014/02/01/beijo-da-decadencia/

Por que dizer não à adoção de crianças por casais homossexuais?

26 Vivemos um dilema social que é o problema dos órfãos. E é bem verdade que este problema não é novo, mas podemos ver claramente o avanço cultural nesta área. Nos primórdios de nossa civilização não havia se quer uma assistência através do Estado, ou “órgãos públicos” por assim dizer, muitas vezes não funcionavam como deveriam as assistências básicas a estes esquecidos, ao passo que a adoção de uma criança ou adolescente órfão ficava na esfera da caridade religiosa e impulso pessoal. Com a evolução da sociedade, as questões sociais como a orfandade começou a se tornar um problema público, em que o Estado não só deveria interferir como ajudar as instituições caritativas, para dar uma dinâmica estrutural a este problema em busca de uma solução.

Para uma maior compreensão do artigo seguiremos a linha das minhas 4 linhas argumentações sendo que elas serão colocada em tópicos para maior visualização.

1-     Problema: Imposição cultural.

Hoje vemos que não curamos esta ferida social, mas avançamos. Porém não é difícil constatar que alguns grupos com a intenção de se consolidar, e estruturar suas opiniões usam de assuntos terminantemente sérios para se impor como solução. Isso se dá claramente na adoção de crianças por “casais” homossexuais. Não estou dizendo que estes casais tenham a intenção de impor seus dilemas sexuais aos outros, porém aqueles homossexuais militantes que estão por trás das leis de legalização das adoções por parte dos homossexuais, que assim se fazem de anjos guardiões que pouco estão se importando com estas crianças e sim, usando deste meio para conseguir se infiltrar na sociedade cristã a fim de satisfazer as organizações internacionais que pressionam o governo para uma nova moral mundial.

2-     Problema: Imposição homossexualidade como uma nova vertente sexual.

28Sabemos por estudos e principalmente pelo DR. Gerard Van denAardweg (Psicólogo PHD em Psicologia) que o homossexualismo não é genético, (para saber mais clique aqui) e sim da esfera comportamental ou traumática. Sendo assim o Dr. Gerard explica que a criança até atingir sua fase adulta de maturidade emocional, ela é totalmente influenciável e as condições de onde ela vive e com quem vive a influenciará a tomar para si suas características futuras na parte emocional, intelectual e sexual. Através dessa influência a militância gay vê a oportunidade de se consolidar na sociedade, fazendo das crianças presas fáceis e moldáveis para seus planos. Esta mesma estratégia é utilizada por exemplo através da cartilha Gay. Não estou aqui colocando um ponto final sobre a sincera vontade de um ou dois homossexuais de ajudar sinceramente uma criança órfã, mas sim explicitar que uma criação de uma criança por um casal homossexual não é benéfica e sim traumática para a criança que se verá em um ambiente que lhe trará confusão e questionamentos sobre si e sua sexualidade, questões que não são abertas a interpretações ou argumentações, como se houvesse uma escolha a qual sexo seguir, sendo sexo é uma característica inerente a vontade e não está no âmbito da faculdade de escolha. Todos nós se nos colocarmos nus em frente a um espelho veremos que temos o órgão sexual feminino ou masculino, temos útero e vagina ou pênis e testículos (independentemente de cirurgias), e não que alguém esteja impedido de escolher ser hétero ou não, pois isso é uma escolha que esta no campo ideológico, afinal isso é a liberdade de escolha, porém, não se pode igualizar a heterossexualidade com a homossexualidade como se ambas fossem biológica e geneticamente comprovada ser inerente ao ser humano; não há como apresentar o homossexual como um 3º sexo, e sim uma opção de vida e não um gênero sexual.

3-     Problema: Traumas psicológicos.

27Por mais que haja boa vontade, não podemos justificar uma caridade e passar por cima da moral e da ética. Os traumas psicológicos já podem ser vistos na sociedade como tal, se como o DR Gerard explica que o homossexual não é assim por natureza e tem a seu apoio estudos que comprovam suas afirmações, só podemos concluir que a homossexualidade esta no âmbito psicológico, constatamos isso ao vermos crianças confusas quanto sua sexualidade por ver nas escolas e na sociedade como geral uma difusão do “gayzismo” como uma vertente da sexualidade, as modas de roupas, estilos musicas, filme e novelas estão levando cada vez mais as casas das pessoas um homem feminino e uma mulher masculina ou a depravação moral em ambos os sentidos de vestes, conceitos estes totalmente confusos que na cabeça de uma criança causa grande tempestade de ideias imaturas quanto a si mesma. Não estou dizendo que necessariamente todas as crianças que fossem criadas por homossexuais seriam também homossexuais, mas sim que lhes trariam muitas dificuldades no desenvolvimento emocional. Dawn Stefanowicz que teve criação por parte de um pai homossexual descreve hoje através de seu livro os traumas decorrentes dessa criação que dificultou sua vida como um todo, e hoje após muitos anos ela faz palestras e luta contra a adoção de crianças por casais gays. Ela diz não como estudiosa ou psicóloga, mas sim como alguém que viveu este problema. Ao falar de seu passado ela diz: “foi complicado e traumático”, depois da morte do pai pela AIDS ela classifica sua criação por um pai gay como: “uma terrível experiência”. (clique aqui para ler a matéria inteira sobre a vida de DawnStefanowicz)

4-     Problema: Política fútil.

Como então sanar este problema? O problema não está relacionado à falta de casais para adotar crianças órfãs, mas sim na desigualdade social e no preparo de nossas crianças e adolescentes para viver uma vida sexual responsável, quanto mais pobreza, e falta de preparo na educação mais o número de órfãos tende a aumentar. Enquanto apresentarem a camisinha como o deus da prevenção ao invés da castidade, haverá crianças nascendo em lares desestruturados ou em mães totalmente alheias as responsabilidades maternais. No Brasil a lei mais apreciada é a lei do tapa buraco; a solução para os problemas são visíveis mas custa muita sinceridade 26e esforço para realizá-las. Por isso usam de alternativas para tentar sanar os problemas que facilmente encontrariam solução se o óbvio fosse executado, é o famoso “tapar o sol com a peneira” deixado de lado. Enquanto houver interesses de grupos minoritários sendo colocados acima dos interesses do Povo, aquela parte da constituição que diz “Todo poder emana do povo” é apenas uma grande “tertúlia flácida para dormitar bovino”. O povo brasileiro em sua maioria é terminantemente Cristão e contra a adoção de crianças por parte de homossexuais, ou será que irão negar isto também?

Autor: Pedro Henrique Alves

Revisora: Pâmela Hervatin

Bibliofrafia:

http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24604

AARDWEG, Gerard Van den, titulo: Homossexualidade e esperança, Editora: Diel

Para citar: ALVES, Pedro Henrique, Por que dizer não a adoção de crianças por casais homossexuais? acesse: https://proecclesiacatholica.wordpress.com/2014/01/09/por-que-dizer-…s-homossexuais/

Homossexualismo genético?

Olho para sociedade hoje, e vejo influências vindas de todos os lados, porém em sua maioria para alegria de todos ainda é facultativa e reflexiva em seus algozes de argumentação e réplica, ou seja, você tem o direito de concordar ou não com o pensamento proposto, porém me parece que o sentido de democracia se esvazia quando certos temas são tratados em público e ainda mais quando a opinião vai ao sentido oposto aquilo que a mídia em massa decidiu acatar como “verdade suprema”; estou falando sobre o homossexualismo; antes de qualquer coisa, gostaria de deixar algumas considerações básicas para você bem ler este artigo, esvazie sua mente sobre tudo que você leu, assistiu ou adquiriu sobre este assunto, seja ele a favor ou contra o homossexualismo, tenha em mente que aqui não se trata de um artigo preconceituoso, mas ao contrario, um texto bem conceituado e embasado, trate este artigo como informação de início para uma investigação longa sobre o assunto, que é o que ele realmente propõe.

O Homossexualismo é visto hoje na sua maioria esmagadora como uma condição inata do ser humano, algo como que biológico ou até mesmo genético, se fizéssemos uma grande pesquisa hoje em nossas escolas, e meios sociais constataríamos sem sombras de dúvidas uma opinião como a da que “o homossexualismo é algo ‘natural’”, porém será que a ciência realmente constata isso?

Não, nenhum estudo genético, biológico, ou psiquiátrico concorda com esta alegação, você pode estar se perguntando, “como você pode afirmar isto”? Bom primeiramente com a lógica, se este tipo de constatação já tivesse sido realizado pela ciência, nada mais impediria do homossexual ser tratado como um novo sexo ou até mesmo como evolução do mesmo, e impedir, por exemplo, que em nossas escolas houvesse um ensino diferenciado seria impossível, já que empiricamente isso já seria uma verdade comprovada, mas isso não é verdade, é bem real que houve investidas políticas para que isso se tornasse real (Por exemplo, a cartilha gay), porém sem nenhuma constatação real científica, o que há é um “Disse, me disse” um cientista disse para outro e outro falou para um, mas nunca uma palavra final, algo que fosse irrefutável, ao contrario disso o Psiquiatra Norte americano L. J. Hatterer afirmou: Os Psiquiatras chegaram finalmente a Conclusão de que os fatores genéticos, hereditários, constitucionais, glandulares e hormonais não tem nenhuma importância como causa da homossexualidade. (L. J. Hatterer, Changing Homosexuality en the male, Mc Graw-Hill, New York, 1970), porém como era de se esperar isto nunca chegou à grande mídia.

Não há fatos científicos que comprovem a veracidade da condição gay por natureza, ao contrario deste fato o Geneticista Dr. John S. H. Tay, escritor do Livro “Nascido Gay”? Onde ele afirma não ser possível a condição gay por natureza, por não existir fatores genéticos que propiciem isso, ou seja, não há cromossomo gay, apenas macho e fêmea, assim como não existe hormônio homossexual, somente macho e fêmea. Recentemente um Homem chamado Dr. Francis Collins afirmou que “NÃO HÁ PROVA DE QUE O HOMOSSEXUALISMO SEJA NATURAL OU QUE ALGUÉM NASÇA HOMOSSEXUAL” acontece que este homem ele é diretor do projeto GENOMA o maior projeto de genética do mundo, ele é diretor do instituto de saúde dos EUA, considerado o maior geneticista do mundo, ex-ateu convertido ao Catolicismo, o Dr. John S. H. Tay em suas pesquisas com gêmeos monozigóticos (aqueles que são geneticamente idênticos) diz que em 35% dos casos quando um dos irmãos é gay o outro é hétero, ora se o homossexualismo fosse ou pretendesse ser genético, em 100% dos casos os irmãos monozigóticos teriam de ter a mesma opção sexual do outro, mas isto não acontece, esta é uma prova científica que ninguém nasce gay.

Bom, mas se o homossexualismo não é natural, como ele se da? Ai chegamos a uma resposta concreta que ninguém da alta mídia gosta de ouvir, ler ou saber, e provavelmente 99% das pessoas que estão lendo este artigo. Depois de ler e estudar vários autores e livros sobre este assunto eu vejo como mais plausível a resposta de Gerard Van den Aardweg, ele é um psicólogo e terapeuta holandês, é Phd em psicologia, ele passou toda sua vida estudando o homossexualismo e os impulsos sexuais, em seu livro “Homossexualidade e Esperança” da Editora Diel, ele da a resposta para a origem deste estado da homossexualidade; ele explica que a maioria os desejos homossexuais se dão por um complexo de inferioridade, mas todos por motivos psicológicos ou traumáticos, ele explica que a Criança ou adolescente geralmente tende a supervalorizar o seu EU, e muitos casos vendo que ele é diferente em algumas habilidades, condição corpórea, economicamente é inferior ao seus colegas, e etc… A Criança tende a alimentar em si uma auto-compaixão que agregando ao egocentrismo natural da Criança tende a aumentar a auto-compaixão, e neste desenvolvimento psicológico doentio do “ninguém me ama ninguém me quer” naturalmente ele busca carinho, e compaixão de seus amigos, porém vale lembrar que o primeiro grupo que toda criança tende a buscar aceitação é o grupo das pessoas do mesmo sexo, e quando a criança se encontra em um nível de rejeição, ela começa se auto-compadecer de si mesma, porém o adendo se da por outro fator, o Gerard Van den Aardweg explica que na pré-puberdade, puberdade e adolescência comecem os desenvolvimentos sexuais psicológicos onde hormônios e desenvolvimentos psicológicos começam a desfrutar de uma vez, é normal em algumas crianças e adolescente surgirem sentimentos por pessoas do mesmo sexo, ou até mesmo desenhos, animais ou outras coisas mais, desejos eróticos por diversos tipos de seres ou até objetos. Mas o fato primordial para entender o homossexualismo como uma neurose como descreve o prof. Gerard Van den Aardweg seria por que neste estado de desenvolvimento sexual, se a criança já desenvolve em si o complexo de inferioridade e de auto-compaixão, se esta pessoa sentir-se inclinada pelos desejos homossexuais passageiros ela vai procurar consolo e aceitação daquele amigo mais próximo, ou de outra criança ou adolescente que sofre do mesmo complexo, podendo desenvolver um sentimento de paixão até mesmo pelo amigo do mesmo sexo, já que se da uma quebra na sua carência (momentaneamente, pois o complexo de inferioridade é incessante), e dependência de ser “amado”, porém ao passar do tempo a maturidade sexual vai chegando ao seu final e os desejos heterossexuais são inevitáveis, mas se o adolescente ou adulto continuar a alimentar seu complexo de inferioridade, é como se ele impedisse psicologicamente que estes desenvolvimentos sexuais se conclua e chegue aos desejos heterossexuais, pelo menos conscientemente, porque no subconsciente afirma Gerard Van den Aardweg todo ser humano é heterossexual, ai se da o fator de que algumas pessoas afirmarem que “sempre foram gays” ou que “já nasceram gays” e alguns afirmarem terem desejo sexuais por ambos os sexos, mas na verdade é por que o desenvolvimento do complexo de inferioridade e depois do inicio do desenvolvimento sexual psicológico se da bem cedo, vários outros autores afirmam com propriedades e pesquisas que outros fatores também colaboram o aparecer do homossexualismo são abusos sexuais, traumas sexuais familiares, o ambiente onde é criado e ensinado, a criação por parte de homossexuais; a criança é totalmente influenciável, por isso a tática Gay das cartilhas na escolas, querem formar crianças ensinadas a serem homossexuais, como se fosse uma nova raça, impondo sobre elas uma condição que não lhe pertence por natureza.

Por fim quero falar da imposição social do homossexualismo, como vimos acima não existem provas que o homossexualismo é genético, biológico, ou natural, pelo contrario, sabemos que ele não é de estado inato, mas sim de condição imposta ou adquirida, mas a mídia e as grandes influências mundiais querem impor isto a todos nós como real, como se o ser gay é apenas mais uma variante do macho e fêmea quem sabe até uma evolução das duas, mas na verdade  não é. Existe hoje toda uma cultura gay sendo colocada nas escolas, em forma de ensino sexual, musicas, novelas, filmes, roupas, ensinando a como ser um homossexual feliz, mas o fato aponta que a grande maioria dos homossexuais sofrem de depressão ou outros complexos mesmo em meio a pessoas que os aceitem, mas nunca passa isto na mídia, raramente sabemos de uma história de um relacionamento homossexual que durou tanto quanto um relacionamento sadio hétero não se trata de querer influenciar na vida privada e ninguém, o que cada um faz em quatro paredes é problema único e exclusivo da pessoa, porém não pode ser imposto a ninguém uma escolha pessoal. Recentemente o deputado Marcos Feliciano que defende o projeto de lei de João Campos, o PDC 234/2011 apelidada de “Cura gay” pretende dar juridicamente liberdade aos psicólogos para tratar os homossexuais, eles argumentam que se assim fizéssemos estaríamos tratando o homossexualismo como uma doença, mas ora se não conseguimos provar que o homossexualismo é de ordem natural, e conseguimos chegar a conclusão que é de ordem psicológica, por que não dar aos psicólogos o direito de tratar um homossexual? Hoje se um psicólogo resolver fazer isto pode ele ser processado por homofobia, ou rechaçado publicamente pela grande massa gay, em plena democracia, vivemos uma ditadura da ideologia gay, a avenida paulista se inflama de gays e lésbicas mostrando seus órgãos genitais que é crime pelo código penal Brasileiro alias vale a pena ressaltar todos batem palma e quando acaba o desfile de devassidão, sobram camisinhas usadas pelas calçadas a fora, e todos batem palma e aceitam como normais crianças levadas pelos pais a estes lugares, influenciando desde cedo há uma concepção de depravação sexual, até mesmo entre alguns homossexuais a parada gay chega a ser rechaçada. Triste ver que seres providos por Deus de racionalidade se deixam levar por propagandas sem argumentações, e aceitamos pacificamente as imposições de ideias, e deixamos nossos filhos ser doutrinados em meio a doentia ditadura gay, não se trata de preconceito, se trata de lógica. Se Bandeiras se estendem dizendo “Orgulho Gay” por que não levantar a minha pra dizer “Tenho orgulho de ser hétero”?

Autor: Pedro Henrique Alves